Tráfico de Cultura

O Projeto Tráfico de Cultura teve início em 2009, a partir de encontros informais com moradores do Vale do Ribeira e da Ilha do Cardoso, no litoral Sul de São Paulo.

O nome faz referência à feira comunitária que acontece na cidade de Iporanga/SP, e que reúne artesãos, artistas e representantes das culturas caiçara, ribeirinha e quilombola.

Desses encontros, alguns foram filmados e transformados em vídeo-depoimentos como o de Ezequiel de Oliveira, da Ilha do Cardoso. Outros, como os do Quilombo de Ivaporunduva, permanecem arquivados.

Captura de tela 2015-07-06 a_s 07.29.42 Captura de tela 2015-07-06 a_s 07.32.13

Na ocasião, os registros inusitados e caseiros, feitos por Flávio Galvão, membro da ACFC, trouxeram à tona toda uma história capaz de apresentar a realidade sociocultural e ambiental das populações caiçaras, quilombolas e ribeirinhas de São Paulo, com um panorama bem diferente da imagem construída pelo setor imobiliário desses “paraísos naturais”.

Os encontros que geraram interesse pelo tema, também deram origem à busca de outros “cenários e personagens”, o que nos levou até Francisco Xavier, mais conhecido pelo apelido de Ticote, no Pouso da Cajaíba/RJ.

Essa iniciativa criou um tipo de intercâmbio audiovisual entre culturas, e serviu de base para a articulação do Tráfico de Cultura, como um projeto da Associação Cultural Fábrica de Cinema.

​​Da Ilha do Cardoso/SP à Reserva da Juatinga/RJ, onde fica o Pouso da Cajaíba uma série de filmagens vem calçando nossas pesquisas sobre a resistência dos povos originários nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, na defesa de seus territórios e cultura. E a partir de vídeo-depoimentos de seus representantes indígenas, caiçaras e afrodescendentes, “roteirizamos” nossos filmes para que documentem ações locais (daí a escolha pelo gênero documentário).

​​Ao deixar de ser um trabalho informal para tornar-se uma pesquisa audiovisual da Associação Cultural Fábrica de Cinema, o projeto busca estabelecer um intercâmbio entre povos tradicionais em território brasileiro, por meio do filme documental.

Nosso intuito é o de circular o país, por etapas ou CONEXÕES – 1ª etapa: regiões Sul e Sudeste/Conexão Caiçara. Com o tempo, vários filmes formarão um painel audiovisual que compartilhará histórias de vida e de culturas diversas ou afins.

Nesse momento, 2015, estamos concentrados em:

  1. organizar os materiais filmados nos últimos seis anos, e que incluem o Vale do Ribeira e Ilha do Cardoso, e o acervo da Reserva da Juatinga;
  2. elaborar projetos de captação de recursos para retomar as filmagens em campo, com a Conexão Caiçara;
  3. montar e finalizar curta-metragens que dêem um panorama sociocultural das regiões do litoral sul do Rio de Janeiro aos litorais paulista e paranaense, ao mesmo tempo em que apresentem algumas personagens e tramas locais.

Um pouco dessa pesquisa pode ser conferida e conhecida nos vídeos e sites abaixo, onde há participação de Flávio Galvão, da ACFC em alguns casos:

Fórum de Comunidades Tradicionais: https://www.youtube.com/watch?v=LBlFSPwLmPQ  ​​

Vídeo ARRASTO DE PRAIA – Raízes e Frutos: https://raizesefrutos.wordpress.com/2014/06/25/arrasto-de-praia-praia-grande-da-cajaiba-paratirj/

O canto das Canoas – The song of the canoes

​​Feira Tráfico de Cultura: http://prosanaserra.pilarcultural.org/tag/culinaria-quilombola/

IPECA:  http://permaculturacaicara.org/

Vídeo Tráfico de Cultura:

Quilombo de Ivaporunduva: http://www.quilombosdoribeira.org.br/ivaporunduva/historico

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s